(21) 3400-7605
22
AUG
2014

HTTPS Como Um Fator de Rankeamento

por :
comentários : 0

HTTPS Como Sinal de Rankeamento

Já algum tempo a segurança é um fator importante para o Google. Todos os seus serviços de pesquisa, e-mail (Gmail) e armazenamento de arquivos (Google Drive) possuem automaticamente uma conexão segura. Com isso, recentemente o Google anunciou que sites que possuem a navegação HTTPS configurada, ganharão um peso a mais na classificação de resultados de pesquisa.

HTTPS é uma implementação do protocolo HTTP que insere uma camada de segurança através do protocolo SSL. Google está interessado que a segurança se estenda para toda a web, assim dando essa atenção maior para a navegação criptografada.

Por enquanto o Google afirma que o benefício será pequeno, contando apenas como um “sinal muito leve” dentro do algoritmo de classificação geral, atingindo cerca de 1% das buscas e que outros fatores como conteúdo de alta qualidade continuarão sendo mais relevantes. Porém ao longo do tempo, isso poderá mudar e o HTTPS passar a ter um reforço maior no ranking, encorajando assim todos os proprietários de sites a usarem uma navegação segura.

Google afirmou que com base em testes feitos nos últimos meses, o sinal HTTPS mostrou resultados positivos em relação a SEO, e a relevância e classificação de resultados de pesquisa no Google.

Orientações sobre o protocolo HTTPS

Uma das razões que algumas empresas se esquivavam de sites criptografados era em relação a problemas de custo e desempenho. Todavia, se agora mudar para um padrão seguro é um sinal de ranking, proprietários de sites e webmasters precisarão dar uma atenção a mais nesse recurso e escolher a melhor opção.

Enquanto essa mudança atinge cerca de 1% das buscas, há tempo para as mudanças necessárias serem tomadas, e o Google deu algumas dicas e orientações para o uso dos certificados SSL:

  • Decidir o tipo certo de certificado (único, para todo domínio ou curinga);
  • Usar certificados de chave de 2048 bits, pois apresentam maior segurança;
  • Usar URLs relativas para recursos que residam no mesmo domínio (por exemplo, URLs de imagens também devem estar com o protocolo HTTPS);
  • Realizar o redirecionamento de endereço do jeito correto;
  • Não bloquear o rastreio do protocolo HTTPS pelo robots.txt (era comum alguns sites bloquearam a indexação desse protocolo pelo robots.txt);
  • Sempre que possível, permitir a indexação das páginas pelos motores de busca
Sobre o Autor
Estudante do curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas da Universidade Estadual da Zona Oeste (UEZO). Atualmente trabalha na área de SEO na empresa GoTop.

Comente!

*

captcha *